quarta-feira, fevereiro 21, 2018

Seguir Em Frente

Mais um dia de trabalho, começando em Lisboa, seguindo-se Carnaxide para os últimos dias de trabalho nesse consultorio. Foram dois anos em que houve sempre uma tentativa de vender gato por lebre, visto que o que me era pedido não só era excessivo como também não era baseado em coisa alguma.
Ou seja, queria-se vender algo que não se tinha e queria-se também que tudo fosse feito sem qualquer consistência, sem bases ou identificação do ela valor do que havia. Que era apenas a legalização dum espaço para o qual também eu tinha essa mesma autorização já emitida pela ERS. Ou seja, uma mão cheia de nada e outra de coisa alguma.
Ultrapassado mais esta fase, a integração no novo espaço esta a correr muito bem, gostando bastante de lá estar e da equipe que se tem. São maneiras diferentes de trabalhar, formas distintas mas melhores porque se fazem planos integrados, orçamentos gerais e pagamentos definidos. Há pequenas nuances que vou tendo de aprender mas, sinto, que vou ter a FELICIDADE que quero.
Ontem houve uma mini crise motivado por um assunto pendente e premente que começou a ser resolvido, esperando sinceramente que, doravante, tudo se resolva da melhor forma e celeradamente. E também desejo que estas "crises" não se repitam mais porque estou cansado desses sobressaltos para além de provocarem um certo desgaste e afastamento das pessoas.
Preciso de, rapidamente, resolver tudo isto bem como enquadrar todo o meu novo esquema económico-financeiro para, tranquilamente, desfrutar do que tenho e passar a outra fase mais positiva, mais calma e duradoura. Quero duma vez por todas estar integrado numa verdadeira equipe, de pessoas válidas e positivas e com espírito de interajuda e de remar no mesmo sentido de nós valorizarmos e termos, todos em conjunto, rentabilidade e bom serviço. Assim seja.
Ontem convidei a minha comadre e a minha afilhada para jantar; foi muito agradável tanto mais que há uma verdadeira Amizade ente todos e depois desta fase tão deprimente e triste, espero que elas consigam continuar a sua vida e terem também elas a FELICIDADE que merecem.

Quanto a mim, quero apenas estabilidade, tranquilidade, paz, FELICIDADE, Amor e um SORRISO interno constante na minha vida e pessoa.

terça-feira, fevereiro 20, 2018

Paz

RSemana de transição, de alguma emoção e sentimento, porque efectivamente mais do que mudar de local, é também cortar laços com pessoas que me são muito queridas e em especial a minha assistente que me é quase indispensável para mim. Felizmente que o ambiente que já tenho na nova clínica me parece ser de cinco estrelas, de respeito, consideração e entusiasmo pelo que se faz, ao contrário da minha última experiência em que tudo era escondido e criticado. E onde, infelizmente, me foram "roubados" muitos e muitos doentes. 
Também devo dizer que tive culpas porque estava num período muito crítico da minha vida e fiz, cometi, alguns erros mas se houvesse ética e  lealdade tudo teria sido resolvido doutra forma. Tempos que passaram e que não quero recordar.
Estou bastante animado com esta mudança visto que é não só uma mudança de local, mas também e especialmente uma alteração na forma de funcionamento e de interacção entre as pessoas. Até ao momento presente nada tenho a criticar e até pelo contrário apenas a elogiar a confiança existente.
Sinto que este ano de 2018 vai ser bastante positivo, construtivo e entusiasmaste visto que eu preciso de desafios, de me testar em novos ambientes e novas pessoas porque vai ser bom mesmo para todos. 
E quero estabilidade, paz, tranquilidade e Amor porque tudo isso é muito importante para mim, para nós e para a nossa vida. Um SORRISO e muita FELICIDADE.

segunda-feira, fevereiro 19, 2018

Viagens

Início de mais uma semana de trabalho, com tudo a começar a organizar-se devidamente. Daqui a uma semana começarei a trabalhar em pleno nas novas clínicas, sendo esta semana a última em que estarei por Carnaxide. Outro ciclo se fecha, abrindo-se outro que, espero, seja bem sucedido, bem realizado e, sobretudo, me traga FELICIDADE e muitos motivos para manter o meu SORRISO.
Sinto estar diferente, mesmo que não faça ou tenha qualquer acompanhamento; estou por minha conta e acho que consigo equacionar devidamente o que me acontece e pensar como deve ser, com as minhas memórias e a minha consciência.
É importante o equilíbrio que estou a ter neste momento, em que as peças se vão encaixando e fazendo sentido neste dia a dia; cheio de vontade de novos projectos, mudanças e ainda cheio de entusiasmo para os realizar duma forma pensada e pausada. Convicto de que vou conseguir, bem como sinto que este ano vai ser muitíssimo bom para ambos porque estamos empenhados que assim seja.
Por vezes, penso que há pessoas demasiadamente sensíveis que sentem e dão importância a minudencias, a factos ou a atitudes que não merecem qualquer atenção, precisamente porque não valem nada. Tenho/temos à nossa volta muitas invejas, muitas pessoas que, não tendo vida própria se ocupam com a vida dos outros e a única coisa que temos de fazer é ignorar. Por isso publico cada vez menos nas redes sociais para que a minha vida seja privada e apenas conhecida por quem eu quero. Levei tempo a perceber mas finalmente percebi.
Tenho as viagens todas programadas até ao fim do ano, com várias marcações e fazendo questão de ir apenas e (quase) sempre a locais onde nunca tenha ido acompanhado, o que, por vezes, limita a escolha. Mas estou a conseguir e sendo assim vamos uns dias fora na Pascoa, uma semana nos feriados de Junho, na quinzena de Agosto - e será o ultimo ano que farei férias nesta altura porque já estou cansado desta altura e é tudo muitíssimo mais caro - e, finalmente na ultima quinzena de Dezembro. Não quero, nem desejo, passar o Natal e o fim de ano em Portugal. Vamos ver se conseguimos.
O importante neste momento é seguirmos em frente com todos os nossos projectos, conseguir ter a FELICIDADE que queremos e ainda manter aquele SORRISO luminoso e forte.

domingo, fevereiro 18, 2018

Domingo

Domingo, que deveria ser um dia de descanso e tem sido um dia de afazeres e trabalho. Ontem fomos experimentar um novo restaurante - o Cruzzaria - que recomendo mesmo, pelo ambiente, pela simpatia, pelo atendimento e pela comida. Preço normal para este tipo de restaurante.
Depois casa, ver séries da netflix - porque estou viciado - dormir, para hoje fazer arrumações, remodelar a casa, com o móvel restaurado que era da minha Mãe e novos mobiliários para o quarto e para a sala.
Talvez seja o definitivo apagar dos resquícios ainda existentes dum passado que começa a ficar mesmo definitivamente arrumado e armazenado nos recantos das memórias, das boas e verdadeiras memórias. Foram anos muito vividos e sentidos que, felizmente, estão mesmo e apenas guardados no coração - porque a Amizade e o enorme carinho se mantem e manterá - e nas memórias, visto que se fez imensa coisa, se realizaram muitos projectos, se viajou imenso e se teve uma vida.
Agora e felizmente, novo capítulo da vida com outra pessoa que me dá uma imensa FELICIDADE e me proporciona um SORRISO constante neste dia a dia, com a realização de muitas fantasias, a concretização de outros projectos e, enfim, uma vida plena e luminosa.
Espero que tudo isto seja entendido e percepcionado por todos os que comigo convivem porque este ano de 2018 está mesmo a ser um ano de grande mudança e de transformações a todos os níveis. Assim seja e que eu saiba manter o meu SORRISO sempre atento à vida e à FELICIDADE que sinto.

sábado, fevereiro 17, 2018

Vida e Morte

Vida e Morte, conceitos em que todos nós pensamos e sentimos duma forma ou doutra. Perante a morte e todo o "espectáculo"  que a acompanha nas últimas horas em que estamos fisicamente presentes, penso e sinto uma enorme tristeza e uma pena imensa pelas pessoas que sofrem e que o demonstram abertamente.
Relembro sempre a dor que senti no funeral do meu Pai, há quase dez anos, em que não pude, nem consegui aguentar as lágrimas e a sensação de perda. Por muito pouco que tenhamos ligação à pessoa que faleceu, a pena e a comiseração estão sempre presentes. E era/foi um grande amigo que desapareceu e de quem tenho muitas e boas recordações. Agora é acompanhar a viúva e a filha no que me for possível.
Entretanto no meio desta tempestade, recebi a minha Bimby que, noutros tempos, não ligava nenhuma e agora acho o máximo, tendo acabado de fazer o almoço - umas douradas com cebolinha e batata - duma forma super prática, fácil e sem sujar quase nada. Estamos fãs deste utensílio.
Já ontem se fez muita coisa, como pizza, limonada, biscoitos e tudo fica bom e saboroso. temos de nos adaptar e também dar um jeito pessoal.
Estou cansado por ter dormido pouco e por ter dado muito de mim na cerimonia de hoje porque fiz questão de apoiar fortemente a minha comadre e a filha que merecem toda a minha atenção. Ela tem um enorme circulo de amigos e conhecidos que compareceram em peso, muitos deles também me conhecem mas, sinceramente, não me lembrei de quase ninguém.
Este fim de semana vamos jantar a um novo restaurante - o Cruzzaria - dum amigo do meu filho mais velho para vermos se saímos do local com um grande SORRISO e com a FELICIDADE de termos feito um bom jantar. 

sexta-feira, fevereiro 16, 2018

Morte

Este lento desaparecimento de pessoas amigas ou conhecidas está a fazer-me alguma confusão, porque me põe frente a algo que me assusta bastante desde sempre, que é lidar com os que ficam, com os que estão perante essas situações e que me sensibilizam imenso.
Para além disso também sinto cada vez mais a perenidade da vida, o lento ou rápido escoar dos anos que temos,  a perda de oportunidades que, por vezes, temos ou a rapidez das circunstâncias ou factos que desfrutamos, das pessoas que passam pela nossa vida, que vivem intensamente connosco e que, dum momento para o outro, desaparecem e deixam de fazer parte do nosso mundo. Seja pelo afastamento natural das pessoas seja pelo seu desaparecimento, seja por outro motivo qualquer.
A verdade é que somos todos mortais, todos nós tendo um destino comum e conhecido, restando apenas saber o que está para além disso. Estou convencido da coragem ou desespero que é preciso ter para terminar com esta vida terrena, porque estive lá perto e sei que, provável,ente, não seria mesmo capaz.
Esta minha "cobardia" de enfrentar quem cá fica, deve estar relacionado com algo que desconheço ou de que tenho medo, porque sempre fui assim e sempre tive muita dificuldade em acompanhar estas situações. E por vezes este meu medo faz com que pareça distante ou frio, sendo precisamente o contrário. Enfim, tenho de analisar este aspecto.
Ontem tive a demonstração da minha Bimby que é um espanto pelo que faz, pela modernização da mesma visto que agora é possível aceder pela internet e fazer tudo directamente por essa via. Ontem fez-se entrada, prato e sobremesa, parecendo muito fácil a sua utilização. Vamos iniciar esta nova temporada culinária com este utensílio fantástico que, praticamente, faz tudo e mais alguma coisa.

Também começo pouco a pouco a alterar a casa, já tendo novos recantos e novos espaços como por exemplo na sala e agora iniciando mudanças no quarto com um móvel restaurado da minha Mãe, bem como de futuro uma nova cama a condizer. Pequenas mudanças que vão dando cor à vida, permitindo que tenhamos sempre um SORRISO de FELICIDADE, tanto mais que com a estabilização da minha vida pessoal, afectiva e profissional me sinto extremamente tranquilo.

quinta-feira, fevereiro 15, 2018

Simplicidade

Mais um dia, a caminho dum fim de semana normal e sem grande história. Hoje vou, finalmente, ter a minha Bimby e por isso no fim de semana vou querer, certamente, fazer muita coisa nova e experimentar o meu novo brinquedo.
De repente fiquei muito pensativo, mas ao ler um texto lindíssimo da JSL no facebook a minha disposição mudou um pouco. Ela aborda um filme, uma postura de vida e sobretudo um olhar interior fantástico , uma visão interior de que gostei imenso para além de que escreve muitíssimo bem.
Vale a pena ler, meditar, reflectir, fazer um grande SORRISO e aceitar que a FELICIDADE é feita de pequenas coisas. Obrigado, Joana
"E que belo dia do namoro!
No dia 22 de Dezembro do ano passado, sentia-me tão cansada pelo trabalho desse mês. Estava esgotada. Tinham-me sugado todas as energias que geralmente vivem comigo, que são muitas e longas. Nesse dia, dei por mim a estar fisicamente presente num lugar: na Avenida da Liberdade, numa ação de natal para ajudar os sem-abrigo. Mas mentalmente, estava completamente fora desse sítio. Apetecia-me chorar, dormir. Sentia-me tão mal de estar ali para ajudar, e a sentir que precisava de ser eu a ajudada. Deixei de sentir, e deixe-me ser. Nesse mesmo dia, um anjo salvou-me. Sentei-me à conversa num banco da Avenida, ainda com uma pessoa do meu trabalho. Uma conversa boa, de desabafo, de respirar. Ar, palavras, sonhos. Do que dávamos para fugir “disto tudo” às vezes.  Do bom que era estar ali à conversa. Demos um abraço e “Bom Natal”, com gigantes dentes à mostra. 
Ontem,  dia 13 de Fevereiro, fui ver o filme Call me by your name. Já andava a querer vê-lo há dias e dias. Ontem tive sorte, consegui companhia de uma amiga, e fui. O comentário da minha amiga foi “Isto foi o melhor filme que vi nos últimos tempos, é incrível. É mesmo intenso!!”. Partilhei o sentimento por inteiro. Estávamos tão envolvidas e comovidas com a história. Fomos andando até a casa, sempre a falar sobre o filme. Fomos comentando as várias mensagens que passa. Fomos fazendo perguntas, muitas para as quais não tínhamos resposta. Fomo-nos fascinando cada vez mais com esta tão bela história de amor. Uma história de duas pessoas que decidiram viver, e que viveram felizes por não terem tido medo do que poderiam sofrer. E sofreram. Uma história de duas pessoas que tiveram sorte de se encontrar, e que viveram ao máximo esse encontro. Uma história de duas pessoas que se apaixonaram porque comunicaram.
Hoje continuei a pensar sobre o filme. Disse a muitos que recomendo, verdadeiramente. E hoje, quando estava a caminhar pela Avenida para casa, resolvi sentar-me num banco. Não no mesmo, mas noutro, a ouvir as músicas que escutei ontem no filme. Foi tão mas tão maravilhoso este final de dia do namoro. 
Tenho quem goste de mim e uma pessoa de quem gosto. Na verdade gosto de várias e que gostam de mim também. Mas não vivi este dia com rosas, nem chocolates, nem com cartas de amor. Podia ter vivido, mas não calhou. 
Vivi um dia aparentemente normal, mas o sentar no banco fez dele um dia muito especial. 
Quando me sentei, já não me lembrava se quer o dia que tinham atribuído ao 14 de Fevereiro. Com o passar dos minutos fui-me relembrando, e pensei que o namoro não e só com o namorado. 
O namoro é pela a vida. O namoro é pelas, e entre pessoas. O namoro é pela cidade. Pelas cores dos prédios. Pelo cheiro. Pela temperatura. Pelas expressões das caras. É quando nos identificamos com os outros. É quando vemos um sorriso que nos apaixona. É quando nos rimos por dentro e choramos por fora.  Somos namorados da vida. Das pessoas. De gestos. 

O meu final de dia foi assim: 
Subi a Calçada do Combro e entrei na Taberna Portuguesa para falar ao Valentim, que lá trabalha. Quando pronunciei o nome dele, lembrei-me do dia, e fiz claro brincadeira com os dois “Oh Valentine, ohhhh Valentinee”!
Daí andei mais um pouco até à Renovar a Mouraria. Tinha ensaio para um espetáculo. Conversei e expus os meus medos. O António disse-me: “Joana experimenta fazer uma coisa. Experimenta ir a um sítio onde vais todos os dias há anos, por exemplo a um café, mas "despe-te" do quem tens sido até agora, e comporta-te de maneira diferente. Pede o café que pedes todos os dias de maneira diferente. Assume uma postura diferente. Experimenta fazer isto, e vais ver que te vais despindo de “merdinhas tuas”. Podes passar a ser menos arrogante; mais humilde; tu descobrirás. Quando tiveres “despida” tudo o que tem que vir, virá a seu tempo. Serás mais tu. Conhece-te a ti, por ti.”
Acrescentamos mais passos à coreografia,  dançamos. É tão bom poder ser criativo e livre. 

E vem agora a parte mais bela:
Começo a passada para subir a Avenida até casa. Já estava com os phones, e com  a música do filme posta. Depois de dias tão frios, esta noite parecia uma daqueles quentes de Verão, em que andamos só de t-shirt. Lembrei-me do dia 22 de Dezembro, olhei para o banco e sentei-me. 

Fiquei só a respirar. A olhar. A observar. A sentir a música. A rir. 
Em frente havia prédios com cores,  bem bonitos. Atravessei a Avenida a pé centenas de vezes na minha vida, e nunca os tinha visto. Depois de olhar os prédios, pensei que estava feliz de estar ali. Sabia-me bem, estar parada ali. Percebi que estamos sempre a ir de um ponto de partida para um ponto de chegada. Nunca nos damos ao luxo de parar a meio, quando nos apetece. Parece que o tempo está sempre contado, mas o tempo somos nós que o fazemos. 
Tive a oportunidade de ver coisas tão maravilhosas, que só quem para e observa, é que as pode sentir e viver. 

Vi um rapaz de 20 anos a correr com um ramo de malmequeres amarelos na mão.  Gostei tanto que não fossem rosas encarnadas. 
Do outro lado, ia um rapaz com que me identifiquei. Dançava que nem louco abanando a cabeça e o corpo, enquanto andava a passo rápido pela a Avenida abaixo. 
Passou uma família com um casal e um filho pequeno. Eram claramente estrangeiros. O filho falou e o pai esboçou um sorriso, com tanta alegria que até a mim me deixou naquele estado. 
Vi uma miúda pequena a caminhar ao lado do pai, agarrou-o pelo braço e pôs a mão dela dentro da dele. Atrás ia a mãe com a filha mais velha, e curiosamente na mesma linha ia uma senhora que não pertencia à família. Passados segundos, olhei para o fundo do passeio e pareciam um grupo de 5. A senhora caminhava ao mesmo passo para ir acompanhada pelos 4, com amor. 
Vi casais de mão dada. Aproveitando o facto de não estarem sozinhos neste mundo, tocavam-se. Outros de mãos desatadas. Talvez com medo de serem rejeitados. 

Olhei para cima e estavam árvores de Inverno, despidas. Pareciam raízes. Raízes. Terra. Pertencemos a este mundo e não estamos sozinhos. Hoje dei-me conta de que há tanta gente, e que há tanta empatia entre o ser humano. É incrível. 
Quando nos abrimos, o coração abre-se e abre-se para receber mais do mundo. 

Experimentem um dia elogiar o trabalho de alguém. Experimentem um dia entrar na porta da Taberna Portuguesa. Experimentem um dia perguntar se alguém vos pode ajudar a não ter medo. Experimentem um dia dançar no meio da rua. Sentar num banco à noite, numa rua que vos é familiar. Experimentem parar num sítio ao calhas, e olhar. Esboçar um sorriso a alguém. 


O que tento fazer no namoro: sabendo que é difícil porque existem expectativas e necessidades do coração, tento que ele seja a cereja no topo do bolo. E esforço-me para não querer que ela seja “ o bolo”. “Esse” sou eu, e farei a melhor receita para ligar bem com cere(i)ta. Não quero que ele seja como eu. Não quero que ele seja como eu quero. Quero que ele seja ele. Quero gostar dele, cereja. Quero gostar de mim, bolo. Quero fazer de tudo e de todos, cerejas boas do meu coração.

quarta-feira, fevereiro 14, 2018

Carnaval

Quarta-feira de cinzas, mais um dia de trabalho, mais aquela imensa vontade de ficar na cama ou a cirandar pela casa sem fazer nada mais, senão não pensar mesmo em nada, ver séries atras de séries e dormitar. Um pouco estupidificaste, certo ?
Esta quarta feira é também o dia dos namorados, mais um dia comercial e sem tradições mas apenas marketing para se consumir nesta época em que já passou o Natal, estão a acabar as promoções e a Páscoa tarda. Ontem estive a trabalhar de manhã, em Alges, tendo constatado que na verdade é possível trabalhar em equipe, num bom ambiente sem invejas, paranoias ou manias de que se é o melhor. 
Sinto estar bastante traumatizado com as minhas experiências anteriores, sobretudo com o meu colega Asperger, que não só me fez a vida negra, como se aproveitou muitíssimo bem dos meus doentes e da minha "inexperiência" de trabalhar integrado. Aliás ele também nunca o tentou fazer, dada a sua patologia e a sua superioridade.
Neste momento "apenas" gostaria de recuperar os meus filhos, ter um relacionamento normal com eles, ter estabilidade financeira e Ainda manter estes  clima afectivo existente. Curioso que somos tão diferentes em muita coisa, mas, precisamente, essas mesmas diferenças fazem-nos pensar, amadurecer a relação e dar-lhe consistência. 
É bom viver neste clima de verdade e de positivismos, sem planos alternativos - mesmo que me lembre do meu passado recente - com a certeza de que é este o cAminho que quero e que devo seguir. Como todos, vou aprendendo a viver desta forma, com calma e tranquilidade porque, na verdade, será a única forma de se poder viver com FELICIDADE, sem estar em constante mudança ou sobressalto.
Profissionalmente talvez seja desta que vou dar um salto qualitativo, trabalhando em equipe e num bom ambiente; não vou cometer os mesmos erros, não entrando em grandes intimidades ou seja no que for. Apenas trabalho, conversa de circunstancia e nada mais, porque não vou querer saber nada nem tão pouco contar seja o que for. É o melhor que se pode fazer.
Vou tendo e fazendo planos de férias, de descanso, assim haja possibilidades e interesse de ambos para essas mesmas férias. Quero sair, quero espairecer e quero que aquilo que já temos dê para tudo isso é muito mais. E este mês está a correr muito bem, esperando que assim continue.
Dessa forma, poderei ter um grande SORRISO cheio e luminoso, bem como prosseguir neste caminho de FELICIDADE.


terça-feira, fevereiro 13, 2018

Morte/Suicídio

Quais as razões que levarão alguém ao suicídio e a acabar com a sua própria vida? Já tive perto disso mas, felizmente, consegui superar tudo isso e refazer a vida duma forma ou doutra, pelo que poderei entender o desespero, o vazio e a depressão que conduz a esse sacrifício supremo.
Fico triste pela pessoa e pela família, mas em simultâneo acho ( e Deus me perdoe), que talvez seja melhor assim visto que a vida já não fazia sentido para ninguém e talvez assim se consiga ter mais paz e tranquilidade. Espero que se consiga recuperar desta tragédia.
Penso bastante na morte, no que haverá ou não para além desta vida terrena, acreditando que haverá algo mais, seja de que forma for. Podemos ser energia, almas, anjos, demónios mas seremos de certeza algo porque, para mim, não tem qualquer lógica estarmos apenas nesta vida por algumas dezenas de anos, sem um seguimento ou uma sequencia.
Todas as religiões encontram algo para explicar o caminho a seguir e o pós morte mas a verdade é que não há provas, não há retrocessos, se bem que as várias experiencias de diversas pessoas que estiveram em morte clinica durante algum tempo é muito semelhante em todas elas. Por isso acredito que terá mesmo de haver algo mais, muito mais. Se haverá ou não reencarnações, energias cósmicas ou o que for não sei mesmo, mas acredito e cada vez mais que temos outra oportunidade e outra vivencia.
Era uma pessoa com quem convivi bastante e durante bastante tempo mas que actualmente estava num limbo, sem rumo, sem força e, talvez ou muito certamente, consciente do seu estado e peso para a família que, provavelmente, o levou a tomar esta atitude. Onde quer que estejas, meu caro amigo, que estejas bem melhor do que estavas nesta tua vida pela qual passaste e onde deixaste a tua marca e recordações.
Nestas alturas penso que, na verdade, devemos desfrutar do momento em que estamos e aproveitar ao máximo o que fazemos tentando sempre ter um SORRISO cheio, pleno e luminoso bem como aproveitar aquela FELICIDADE que podemos e sabemos ter.

segunda-feira, fevereiro 12, 2018

Carnaval

Dias de Carnaval... ontem fui jantar a Lisboa e parecia uma cidade deserta, sem movimento e sem pessoas. Na verdade, o carnaval em Portugal não é mesmo nada de especial nem de interessante, mas hoje vai haver um grande movimento nocturno porque há imensas festas, encontros, etc.
Nunca gostei muito do carnaval, fazendo hoje um ano em que me mascarei apenas por influencia da pessoa com quem estava e até foi bastante giro, mas raramente me mascaro. Lembro-me de, há muitos e bons anos, ter tido um dos meus melhores carnavais da vida em que nos mascarámos e andámos toda a noite pelo Bairro Alto e Principe Real. Outros tempos...
Hoje ainda vou trabalhar um pouco durante a tarde e amanha de manha para resolver um caso que me está a dar bastante trabalho e que quero ver resolvido quanto antes. Hoje o dia também não deve ser nada de especial, mas pouco a pouco talvez dê para consolidar a posição no novo consultório e expandir a clientela. Espero mesmo que dê certo.
Quanto a mim, sinto estar demasiado ansioso em relação a muita coisa deste quotidiano, sobretudo questões de gestão e financeiras porque de facto preocupo-me, talvez, demasiado com estas questão e apenas tenho desilusões porque crio ilusões com factos e acontecimentos que não se podem concretizar do dia para a noite, como é evidente. Tenho, devo, respeitar o espaço dos outros e dar-lhe amplitude de movimentos e de decisão e apenas quando ou se algo correr mal, chamar a atenção.
Infelizmente tendo a empolar o dia a dia, muitas vezes sem qualquer necessidade sem ser enervar-me e stressar os outros que até podem estar no bom caminho e ter toda a razão. Assim o espero!
Vou preparar-me para seguir caminho até ao Consultório, com o meu SORRISO e a vontade de que a FELICIDADE esteja sempre presente no meu caminho e no meu coração.
 
 

domingo, fevereiro 11, 2018

Família

Ontem jantar com primos do Brasil, que me são muito, muito queridos e de quem gosto bastante. Até tenciono passar o fim deste ano com eles porque não quero estar em Portugal nessa época festiva. Preciso de estar fora, longe e noutro ambiente para me sentir melhor e desfrutar desses dias.
Para além disso, estive a trabalhar, a resolver um caso dentário que está complicado, a fazer umas compras e a namorar.
Hoje é um dia especial em que são passados seis meses duma relação que começa a estar bem sólida e consistente, sem mentiras, subterfúgios ou planos alternativos. Foram seis meses com alguma turbulência e algumas tempestades, mas também com muito carinho, Amizade e Estima, na construção duma relação verdadeira e sentida.
Sinto que estamos cada vez mais em harmonia e em sintonia, no nosso dia a dia, nos nossos planos e na nossa forma de sentir e de estar. Quero e desejo que muitos mais seis meses se repitam e se concretizem muitos dos nossos planos de vida. Sobretudo que o Amor se vá consolidando e dando origem a um grande bem estar e a uma FELICIDADE crescente.
Sei que, muito depende de cada um de nós, bem como da minha postura e da minha sensibilidade para este caminho de verdade, de sinceridade e honestidade em que duas pessoas estão unidas e juntas com um SORRISO permanente nom coração.

sábado, fevereiro 10, 2018

Carnaval

Estamos no fim de semana de carnaval... época a que nunca liguei muito por não gostar de me mascarar, nem ter de ficar alegre e bem disposto em alturas pré-programadas. Há momentos em que me sinto muito bem disposto e com vontade de me divertir e isso não tem de coincidir com nenhuma época em especial.
Hoje, sábado, já fui ao consultório de Algés para mais uma conversa com o meu colega, bem como uma reunião com o protésico com quem trabalho e quero continuar. Quando falo com ele, fico entusiasmado e crente de que tudo dará certo. Nada tem a ver com outras personagens do meu passado recente que, seguramente, sofriam de síndrome de Asperger. É um homem de visão, entusiasmo e grande capacidade de liderança e de gestão.
Sinto que é o que eu preciso neste momento da minha vida profissional, de alguém que me aceite e me dê as condições certas e necessárias para se trabalhar em equipe e em conjunto. Estou ansioso para estar a tempo inteiro em Algés, mesmo que isso implique perder alguns dos meus pacientes, inclusive alguns dos mais antigos. Tenho completa necessidade desta mudança.
No plano afectivo, estou com um clima fabuloso, em que, cada vez mais, há um entendimento, uma união e uma aceitação de ambos, depois de superados muitos obstáculos e de se compreender a identidade e postura de cada um de nós. Estou com o meu SORRISO de FELICIDADE porque acredito nesta realidade, que fará amanha seis meses.
A vida faz-se de momentos, de factos, de pessoas bem como de muito mais que nos envolve e faz mover porque, apesar de ser tudo em nós, há também muitas influencias externas que nos podem condicionar e redimensionar de diferentes formas, sendo sempre nossa a última decisão e a a última vontade. Porque somos soberanos e donos de nós próprios.
Um enorme SORRISO neste dia em que ora brilha o sol, ora o céu se cobre de nuvens mas sempre com a certeza de que posso ter a FELICIDADE que tanto quero e tanto procurei.

sexta-feira, fevereiro 09, 2018

Preguiça

Dia de madrugar para chegar ao Sams a tempo e a horas... e com chuva o trânsito fica bem pior e stressante. Mas acabei por chegar a horas ou muito perto do limite da tolerância.
Ontem não trabalhei durante a tarde, mas foi fazer umas compras que precisava  bem como arrumar uns assuntos pendentes. Depois para o quentinho da casa donde não saí mais, sem fazer nada de especial.
Vou ter uma Bimby porque aproveitei uma promoção sem juros e com esse robot vou rentabilizar o que gasto em supermercados. É das máquinas novas toda informatizada e quase que autónoma.
A partir de próximo mês quero começar a sair mais, frequentar Espectaculos,  ver coisas novas, interessar-me/nos mais pelo mundo exterior e pelo que nos rodeia.
Há todo um mundo interessante, vibrante e novo para descobrir, se bem que, neste momento, me sinta bastante caseiro e muitíssimo bem em casa; ambiente (quase) sempre tranquilo, calmo com uma grande necessidade de estar pacatamente a ver as minhas séries ( gravadas ou da Netflix) ou a ler, ou simplesmente a dormitar.
Tenho Ainda de enquadrar alguns aspectos da minha vida para que tudo fique plenamente resolvido e arrumado. Penso que, mantendo esta postura, ficarei mais tranquilo em algumas áreas e definitivamente descansado daqui a uns dois anos.
Apesar de ter dormido muito bem, estou ou sinto-me cansado e com vontade de me esticar um pouco mas tenho a manhã cheia e a tarde de consultório também preenchida pelo que só depois das sete e tal poderei finalmente entrar em fim de semana. Terei de ir amanhã a Algés ver uma doente para uma prova meia complicada e para uma reunião com o Protesico, mas depois fico livre. 
Temos de ir ter com um amigo para arranjarmos mais trabalho da Uber porque ele tem um hostal e os seus hóspedes precisam desse serviço para além de se poder fazer tours e alguns passeios mais rentáveis.
Por isso aqui fica o meu SORRISO tranquilo, mas luminoso pela FELICIDADE que sinto (quase) sempre neste presente. 
PS: nestes últimos tempos tenho recordado com saudade outros tempos e outras pessoas que fizeram parte da minha vida. Algumas Ainda estão presentes e outras apenas no meu coração.


quinta-feira, fevereiro 08, 2018

Consciencia

Dia de trabalho em Algés, com consultas, adaptação e uma aceitação cada vez maior de aqui estar. E sobretudo de gostar de trabalhar aqui, pela calma, pela tranquilidade e pela ausência de qualquer crispação. E as pessoas estão a aceitar plenamente esta mudança desde que seja explicada.
Hoje estou mais calmo, depois de mais uma tempestade surgida do (quase) nada por não haver motivos nem razões para tal, mas, infelizmente, a vida é assim mesmo e qualquer relacionamento tem destas minudencias que se transformam em avalanches e das quais ficam, por vezes, sequelas e danos que temos de ultrapassar.
Como estou de folga hoje à tarde, vou fazer algumas compras e descansar, a ver séries, a ler, a relaxar, a reflectir na vida e no que realmente quero. Paz, tranquilidade, Amor e algo que dê uma verdadeira e sentida FELICIDADE a ambos. É o mais importante para que possamos ter um SORRISO luminoso, cheio e poderoso.
Sinto ter muitos defeitos, muitas arestas para serem polidas mas também sei ter muitas qualidades, uma grande tendência para ajudar e fazer o máximo pelas pessoas de quem gosto bem como por vezes confabular demais certos aspectos que não consigo ultrapassar.
A vida é feita de muitas coisas, todos nós temos muitas facetas e dessa amálgama de factos, sentimentos, emoções, realizações, encontros e desencontros fica o que realmente importa e queremos, que é no fundo e comum a todos nós sermos felizes, estarmos bem connosco e com o mundo que nos rodeia. É o que quero e desejo com todas as minhas forças.
Sei ser uma pessoa complicada, difícil, muitas vezes egocêntrica mas também sei amar intensamente, dar muito de mim, bem como exigir dos outros tudo aquilo que eles têm pelo que tenho, devo, encontrar um equilíbrio entre as minhas facetas para dar estabilidade e credibilidade ao que tenho e quero. E continuo a querer o mundo. Devo ser coerente comigo e com os outros, devo recordar as memórias e ter a consciência sempre presente para ter um caminho positivo, recto que me/nos conduza a uma FELICIDADE plena e cheia de SORRISOS. 


quarta-feira, fevereiro 07, 2018

Esperança

Os dias vão passando, a tranquilidade vai permanecendo e estabelecendo o seu caminho seguro e positivo. Para além disso, a transição está a fazer-se duma forma gradual e correcta, bem como começo a deslumbrar um certo equilíbrio financeiro.
Este é um aspecto em que tenho tido bastante ajuda externa, que me faz pensar e ponderar nos custos e nas necessidades reais e efectivas, sem gastos supérfluos ou que não fazem qualquer falta.
Vai havendo lugar a pequenas distracções, como por exemplo, idas ao mercado de Alges, jantares com amigos mas vou recomeçar a estar atento a Espectaculos, bailados, etc para se ter mais aplicações e estarmos mais despertos.
Neste tempo frio e seco, recordo com saudade os meus tempos de neve, de ski e dos bons momentos relacionados.  A vida nas estâncias de ski é fantástica, sobretudo pela descontracção, leveza e fluidez dos dias. Quando se faz ski (quase) oito horas seguidas não se dá pela passagem do tempo, nem se pensa em nada mais a não ser na técnica necessário e em desfrutar da paisagem, do desporto e do tempo.
Passei por tudo o que se possa pensar nestes tempos em que íamos duas vezes por ano para a montanha e nos dedicávamos apenas ao ski. Foram alturas muitíssimos bons de que tenho imensas saudades. Ainda quero voltar a fazer ski um dia destes.
E a Europa está coberta de neve duma forma intensa e altamente condicionante para a vida do dia a dia.
Muitas vezes, olho para o passado longiguo e recente, constatando que já fiz tanta coisa, já passei por tanto, já realizei tanto que, neste momento presente, tenho de arranjar algo que me complementarize e continue a ar sentido à vida. Nem que seja na projecção noutra pessoa.
Tenho estado entretido com algumas séries da Netflix que tem a vantagem de não ter anúncios ou interrupções e poder-se ver todos os episódios de seguida. Estou completamente informado acerca dos quartéis de droga da América do Sul, da corrupção e da vida dessas pessoas, bem como das interligações políticas e sociais desses países.
Agora estou a intercalar uma série acerca de Versailles e do Luis XIV, com outra acerca de Auschwitz que impressiona. É algo que muito em breve terei de visitar porque ando a adiar há muito essa visita. A história do judaísmo, o holocausto, os rituais e o muito que envolve esta religião interessa-me imenso. Mas Ainda hoje não compreendo como é possível assassinar desta forma tantos seres humanos apenas por serem diferentes. Que barbaridade e que crueldade imensa.
Infelizmente nos tempos presentes esta ausência de sentimentos continua presente em muitos locais do mundo, com guerras, chacinas, extermínios de minorias raciais e muito mais pelo que a Humanidade repete os seus erros sem pensar duma forma consistente, correcta e justa. Quantos e quantos milhões de pessoas sofrem, passam fome, são exploradas neste preciso momento em que eu e os que me rodeiam estão na sua vida, no seu trabalho, aquecidos, alimentados e devidamente respeitados. E que mais se poderá fazer neste campo a não ser alertar e denunciar ? 
Gostava que todos os seres humanos pudessem ter a sua FELICIDADE, uma vida digna e respeitável para que pudessem ter um SORRISO forte, luminoso e de esperança pela vida.